Temos vividos dias de apostasia total. Isso é público e notório, basta olhar ao seu redor para encontrar cada vez mais pessoas se afastando de Deus, criando “doutrinas” e ensinamentos falsos, pessoas se auto-proclamando profetas, mensageiros do Senhor, com visões deturpadas. Há aqueles, inclusive, que dizem ter sido arrebatados em espírito e ido ao céu (ou ao inferno) e lá terem experiências ou ouvido a voz de Deus para se fazer algo, entretanto, tudo – na maioria das vezes – completamente fora do contexto bíblico. Com isso se criam os modismos cristãos, ou evangélicos.

É visão disso, coisa daquilo, avivamento-não-sei-de-que, sapato de fogo, e mais um  monte de traquitanas que se inventam por ai. Um dos últimos modismos criados, ou pelo menos um dos últimos que mais gerou polêmica, é o chamado movimento G12. Falou-se isso e mais aquilo, que este seria o último mover na terra antes da volta do Senhor Jesus, que iria abalar as estruturas da Igreja e mais um monte. Eu estive em um ministério que abraçou o G12 com unhas e dentes, logo em seu “início” no Brasil, participei, inclusive, de uma palestra por mais de 6 horas seguidas, ministradas por um dos percursores do movimento aqui no Brasil.

Estive arrolado entre os 12 do meu então pastor, estava começando a formar meu grupo de 12, tive uma ou duas células. Mas hoje, ao observar toda aquela movimentação, discussões, polêmica e até divisões causadas pelos que apoiavam e os que não apoiavam, vejo que não passou de mais um modismo religioso. Não se fala mais em G12, células e afins. Ou se se fala, meio que fora dos holofotes. Diante de toda essa situação, quantos foram aqueles alcançados pela verdadeira Mensagem do Senhor? Quantos hoje, depois de tanto barulho, estão firmes com o Senhor?

Este foi apenas um exemplo que citei, mas existem outros tantos e, infelizmente, ainda nascerão outros mais. Entretanto, ao observar a Bíblia Sagrada vejo que tudo é tão simples. Nada de firulas, de coisas absurdas ou modas que aparecem e somem de uma hora para a outra.

Disse Jesus:

“E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado” – Marcos 16:15-16

Pronto! Sem mistérios, sem frescuras, sem babozeiras. O Evangelhos, as Boas Novas do Senhor devem ser pregadas, nada mais que isso. O que acontece muito hoje em dia é uma competição entre igrejas, entre os líderes para ver quem tem mais, qual templo é maior dentre outras, isso sem contar com a grande preocupação com a igreja cheia (igreja cheia = grandes ofertas + dízimos altos – não que eu seja contra dízimos e ofertas, que são bíblicos e necessários à vida financeira da igreja e dos fiéis. Falaremos nisto em outra ocasião). O foco principal tem fugido, a visão está deformada.

Há também os “astros de Cristo”, aqueles que querem aparecer mais que o Senhor – veja o post abaixo. Sei da importância do tele-evangelismo, ou seja, se pregar a Palavra através da televisão, ou que seja pelo rádio, internet, ou qualquer outro meio. Isso é fundamental! Mas que se pregue a Mensagem genuína e verdadeira, deixada pelo Senhor. Mas o que vemos hoje é cada vez mais pastores dando as caras na TV mas por exibição do que por amor. Seria este um outro “modismo”?

Que o Senhor tenha misericórdia de nossas vidas e nos abençoe segundo sua infinita bondade e graça!