No outro domínio (www.danilomiguel.com, que eu perdi devido ao fato de meu cartão de crédito ter expirado e não conseguir renovar a anuidade :() eu tinha algumas boa mensagens que infelizmente se perderam. Uma delas – por isso o “parte II” no título – era uma crítica aos que saem por ai abrindo igrejas achando que a Igreja não passa de um negócio lucrativo. Coisa que mais vemos nos dias de hoje… Infelizmente não consegui acesso nem a ela nem as demais para disponibilizar aqui.

Mas voltei ao assunto pois hoje de manhã ao abrir minha caixa postal me deparo com a seguinte mensagem:

Legalização de igrejas (?)

Achei interessante pois o serviço é completo: estatuto e ata de fundação, CNPJ, registro em cartório; como o email mesmo diz: LEGALIZAÇÃO COMPLETA!

Bom, como estou interessado em abrir uma igreja, ficar rico, famoso, alisar meus cabelos (ops, meus cabelos já são lisos!), ter um programa na televisão – ou melhor, ter um canal só pra mim – resolvi entrar em contato e obter maiores informações, inclusive procurando saber se o dono da “empresa” já pertence a alguma igreja ou não. Quem sabe ele não seja meu primeiro membro?!?

Mandei um email com o seguinte conteúdo:

“Prezado,

Recebi uma mensagem sua através do orkut falando acerca do seu trabalho de legalização de igrejas. O texto não é muito claro, mas pelo que entendi sua empresa cuida, inclusive, da constituição do estatudo e da ata de abertura. Está correta essa informação? Como funciona este trabalho? Me dê mais detalhes por favor, inclusive com valores se possível.

Mais uma questão, de cunho particular: você é evangélico? De qual igreja?

Abraço!”

Sinceramente achei que não teria resposta uma vez que é fato comum entre empresas que colocam um site na internet, disponibilizam um email para contato mas nunca responde a ninguém. Mas me enganei! Não muito depois recebo a resposta, qeu segue abaixo (vou postar um printscreen para não dar a impressão de que eu manipulei a resposta):

resposta

Ou seja, tudo o que eu preciso e mais um pouco por apenas R$ 840,00 e facilitado em 3x sem juros!!! Não preciso me preocupar com ata de fundação, isso quer dizer que nem preciso de gente pra abrir minha igreja. Não preciso pensar em um estatuto: eles criam para mim! Sabem até o que quero e deixo de querer pra minha igreja, que maravilha!

… [pausa para o suspiro] …

Que lamentável, isso sim… É claro que o texto acima, de um grande mal gosto concordo, não passa de uma ilustração de algo que é comum em nosso cotidiano. Cada dia surgem novas igrejas – eu ví outro dia na TV dizendo que só na cidade de São Paulo surgem duas novas igrejas todos os dias! – novas mentiras, novos enganos, novas heresias e o povo cada vez mais distante do Senhor. Onde vamos parar? Até quando isso vai persistir?

O que esperar de uma empresa que seu dono se diz membro de uma igreja e frequentador de outra? O que se espera de uma igreja fundamentada na mentira – ou você acha que o que eles estão fazendo é correto? Quais serão as pessoas que assinam essas atas de fundação? – qual a base bíblica para o estatuto dessas igrejas? Qual a mensagem pregada numa igreja dessas? O que se esperar de um líder desses?

E pensar que isso é somente o princípio…

“… Ora, vem, Senhor Jesus!” – Apocalipse 22:20

Anúncios

“Um grande equívoco cometido pelos sociólogos da religião é o de por sob a mesma rubrica de “pentecostalismo” dois fenômenos distintos. De um lado, o pentecostalismo propriamente dito, tipificado, no Brasil, pelas Assembléias de Deus; e do outro, o impropriamente denominado “neopentecostalismo”, melhor tipificado pela Igreja Universal do Reino de Deus. Um estudioso propôs denominar essas últimas de pós-pentecostais: um fenômeno que se seguiu a outro, mas que com ele não se conecta, pois “neo” se refere a uma manifestação nova de algo já existente. Correntes de sociologia argentina já os denominaram de “iso-pentecostalismo”: algo que parece, mas não é. Lucidez e coragem teve Washington Franco, em sua dissertação de mestrado na Universidade Federal de Alagoas, quando classificou o fenômeno representando pela IURD de “pseudo-pentecostalismo”: algo que não é. Um estudo acurado dos tipos ideais, Assembléia de Deus e Igreja Universal do Reino de Deus, sob uma ótica sociológica, ou uma ótica teológica, nos levará à conclusão que se trata de duas manifestações religiosas diversas, que não podem — nem devem — ser colocadas sob uma mesma classificação. Ao se somar, a partir do Censo Religioso, esses dois agrupamentos, tem-se um alto índice de “pentecostais”, constituídos, contudo, pelos que o são e pelos que não o são. Equiparar ambos os fenômenos não faz justiça à Igreja Universal e ofende a Assembléia de Deus.”

Excelente texto que encontrei aqui, Pentecostalismo, e que pode deve ser lido o restante aqui